O Comodoro deixou saudades

Texto de "O cri-crítico" ( jornalista do jornal "O Estado de S. Paulo", que escreve para o suplemento "Guia", críticas bem-humoradas sobre cinema )

.
É pena que São Paulo não tenha mais uma telona como aquela. “Isto é Cinerama, o sistema que revolucionou o mundo das diversões”, dizia a propaganda abaixo de sua marquise, quando o cinema foi inaugurado no final dos anos 50. Três projetores que simultaneamente formavam uma imagem gigantesca. Marcou muito a minha infância. Quando meus pais me levavam para ver filme lá – não era qualquer filme, só em ocasiões especiais, talvez pelo preço do ingresso, que, se me lembro bem, era um pouco mais caro do que em outras salas – eu achava tão divertido quanto ir a um parque de diversões. Acho que era necessário comprar ingresso com antecedência. Ou seja, era um evento, mais que um reles passeio. Já tinha poltrona numerada, algo que voltou como novidade em 2006.

Era o único cinema que quanto mais perto da tela melhor, por causa da curvatura dela – não me lembro de quantos graus. Antes de a sessão começar, a tela ficava atrás de uma cortina vermelha, como em um teatro. Dava a sensação de que, quando abrissem, o próprio King Kong estaria lá ao vivo. Ir ao cinema hoje é como ir a uma lanchonete fast-food. Estamos carentes de cinemas-parques de diversão. Lembro-me do último que assisti lá: “De Volta para o Futuro 2”, quando a sala já acompanhava a decadência da região. Revi o filme outro dia na televisão. Bateu uma nostalgia. Nunca será tão divertido como na telona do Cinerama.
.
Texto redigido, exclusivamente, para este blog.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.