Elétrico Cineclube

por Felipe Macedo (Jornalista, assessor de Relações Internacionais do Conselho Nacional de Cineclubes, diretor do Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo, presidente da Federação de Cineclubes do Estado de São Paulo, coordenador do projeto PopCine e autor de livros como "Movimento Cineclubista Brasileiro")
O Centro de Estudos Cineclubistas de São Paulo – Elétrico Cineclube, essa era a razão social completa do Elétrico, foi fundado em janeiro de 1988, por Deisy Velten, Felipe Macedo, João Carlos Bacelar e Serge Roizman. Durante dois anos esses cineclubistas, que já vinham de várias outras aventuras, passaram o diabo, vivendo em uma espécie de república, tentando levantar patrocínios, viabilizar a transformação do antigo cine Regência – então parcialmente destruído e transformado em boate e estacionamento – e controlar o dono do imóvel, que sempre pressionou e colocou obstáculos ao projeto. Durante a maior parte desse tempo, antes de obterem os patrocínios mais importantes, a obra foi sendo tocada muito lentamente, com lances dramáticos e dificuldades enormes, mas recheada de histórias de solidariedade incríveis. Muitos amigos tiraram suas magras poupanças do banco para impedir determinadas ações de cobradores, houve doações anônimas e até mesmo o pessoal que trabalhava na obra chegou a emprestar dinheiro para o cineclube (em vez de receber o salário).
Mas no fim a coisa engrenou e, em janeiro de 1990, o Elétrico inaugurava sua primeira sala, de 316 lugares. Em maio foram abertas as salas 2, de 84 lugares, e 3, com 32 lugares, para exibições em vídeo e cursos. Em outubro passava a funcionar a "lojinha", com livraria, locadora, artefatos, lembranças e geringonças de cinema. Desde o início o Elétrico já tinha o bar no átrio e o estacionamento, que seria usado também para outras experiências. Ao todo, eram cerca de 2.500m² de área construída.
Da inauguração até o fechamento, o Elétrico durou apenas 4 anos. Foi um dos últimos e maiores espasmos de cineclubismo do fim de uma época, mas deixou certamente algumas lembranças para as mais de 15 mil pessoas que o freqüentaram mensalmente durante esse período, totalizando mais de 600 mil espectadores durante a sua curta vida. O Cineclube também deixou algumas conquistas concretas, como a lei isentando cineclubes e cinematecas de IPTU, e umas tantas influências sobre outros acontecimentos, como a lei estadual de meia entrada para estudantes e maiores de 60 anos. Certamente o Elétrico também estimulou o surgimento de outras salas, como o Metrópolis, de Vitória, ES, criado por Marcos Valério Guimarães e o Cineclube Vitória, em Campinas, fundado por João Carlos Bacelar e Neuza Barbosa, além de apoiar, inclusive financeiramente, o Cineclube Oscarito.
O Elétrico exibiu cerca de 1.000 filmes, 40% deles inéditos. Organizou, trouxe para São Paulo ou participou de várias Mostras e Festivais, como o FestRio, a Mostra Internacional de Cinema Negro, A Mostra de Cinema e Vídeo da Argentina, entre outros, freqüentemente trazendo cineastas, técnicos e artistas de outros países para debater com os realizadores e o público brasileiro. O Cineclube conservou viva a sessão da meia-noite, exibindo as chamadas "Sessão Última Chance", com filmes cujas cópias seriam destruídas pelas distribuidoras, e a "Sessão Trash". Também manteve permanentemente um trabalho com crianças - recebendo um prêmio especial da Fundação Abrinq – e com os movimentos sociais, de mulheres, de negros, trabalhadores e outros.
Também mostrou cerca de 1.000 vídeos, em memoráveis programas de música, com ciclos de filmes de jazz, rock, reggae, etc, e outras promoções, incluindo as Mostras "Dez Anos de Produção Independente", "Um Close no Teatro I e II", entre outras, organizadas por Jurandir Müller, incorporado à direção do cineclube num mandato posterior. Aliás, outro diretor importante do Elétrico foi Dante Ancona Lopez, o homem que havia criado os primeiros cinemas de arte em São Paulo, 40 anos antes. A equipe do Cineclube também, era muito especial, e reunia mais de 20 pessoas em tempo integral - mas alongaria demais esse pequeno relato lembrar de cada um.
O Elétrico promoveu ainda uma série de espetáculos musicais, principalmente com músicos de jazz, e peças de teatro, tanto na sua sala maior quanto numa área reservada no estacionamento. Este último, aliás, também seria usado para a organização de uma feira de trocas cultural, nos fins de semana.
O pico mensal de público do Elétrico chegou a 21.000 pessoas. Em determinados dias, você podia se sentar nas mesinhas do bar e assistir ao curioso vai e vem de públicos diferentes: os jovens de diferentes tribos que vinham para as sessões de vídeo de rock, por exemplo, cruzavam com o público da terceira idade que aproveitava a meia entrada e um filme como "Dançando com a Vida" e ficava ali tomando um chazinho e olhando o pessoal mais "político" que vinha ver "Ay, Carmela" na sala de cima ou algumas figuras mais conhecidas, do meio artístico, político, esportivo ou empresarial que vinham buscar um vídeo na "lojinha". Às vezes alguém fazia um "happening" por iniciativa própria, como o talentoso violinista que vinha tocar Brahms nos intervalos de "Eu Sou o Senhor do Castelo", ou uns malucos que vinham vestidos a caráter para certos filmes de ficção científica numa sessão da meia-noite.
Entidade sem fins lucrativos, declarada de utilidade pública, o imóvel do Elétrico – que era também o antigo Teatro Record, palco do surgimento da Jovem Guarda, do "O Fino da Bossa" e dos "Festivais de Música Popular" – foi tombado durante o governo da prefeita Luíza Erundina. Por unanimidade, a Câmara Municipal reservou uma quantia no orçamento municipal para a compra do espaço e a sua cessão em comodato ao Elétrico. Mas o governo mudou e não deu tempo: por sugestão do novo Secretário da Cultura, Rodolfo Konder, o prefeito Paulo Maluf revogou o decreto anterior (ele certamente precisava do dinheiro para outros fins) e o Cineclube foi incapaz de sobreviver às elevações dos seus custos e a toda uma nova realidade do mercado cinematográfico que não facilitava aquele tipo de atividade.
Texto extraído do site de Felipe Macedo.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.