Grandes empresários da exibição cinematográfica: Adhemar de Oliveira

Adhemar de Oliveira, cineclubista dos anos 80, é hoje um dos maiores exibidores do país. Seus cinemas se diferenciam de outros multiplex (cinemas de shopping), porque suas salas mesclam a exibição de filmes independentes e de grandes produções americanas.
Adhemar explica, a revista Época, o conceito de “cinema independente”: “Para formular esse conceito é preciso falar do oposto. Existe um cinema dependente de grandes orçamentos, de sólida estrutura de produção e de milionárias campanhas de marketing no mundo todo. Essa é a realidade de Hollywood. O cinema independente tenta se firmar sem esses alicerces. É formado por filmes europeus, asiáticos e latino-americanos. O sonho de quase todo diretor e produtor americano independentes é se tornar dependentes dos grandes estúdios de Hollywood. Querem trabalhar com produções caras e atores famosos. Já no resto do mundo, o cinema independente é uma bandeira ideológica. Também quer ter vez no mercado, mas com liberdade criativa.”

Adhemar de Oliveira nasceu em Jaboticabal, no interior de São Paulo. Em 1980, largou o cargo de técnico do Banco Central, para criar o Cineclube Bixiga, na capital paulista. Logo depois, foi para a capital do Rio de Janeiro, onde passou a programar os filmes do Cineclube Macunaíma. Em novembro de 1985, fundou o cine Estação Botafogo. Em 1989, participou da criação da então Mostra Banco Nacional de Cinema de São Paulo. Em outubro de 1993 criou, em São Paulo, o Espaço Unibanco de Cinema, um projeto que transformou um decadente cinema de rua em três cultuadas salas, com livraria e café. Depois, em 1995, Adhemar se desliga do Grupo Estação, no Rio, e passa a se dedicar totalmente ao Espaço Unibanco, que se transformaria no circuito mais cultuado de São Paulo.
Adhemar também investe no espectador do futuro, por intermédio do Projeto Escola, que tem coordenação de Patrícia Durães, colaboradora de Adhemar em diversas atividades há muitos anos. Adhemar é sócio, também, do cine Bombril e do cine Tam, entre outros empreendimentos.
Além de exibidor, Adhemar é sócio da distribuidora Mais Filmes, em parceria com Leon Cakoff, com quem também partilha o empreendimento das salas do Frei Caneca Unibanco Arteplex (Multiplex voltado para os filmes de arte), inaugurado em agosto de 2001.
Dentro deste novo conceito de salas Arteplex, o “Espaço de Cinema” inaugurou, desde 2001, 19 complexos (totalizando, por enquanto, 74 salas) nas cidades de Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro e São Paulo.

Por tudo isso, Adhemar de Oliveira é um dos grandes responsáveis pela transformação do circuito exibidor de filmes de arte no Rio de Janeiro e em São Paulo. É o maior exibidor de filmes independentes (alternativos ou “de arte”) e um dos maiores exibidores do país. Além de ser um dos exibidores que mais apóiam o Cinema Nacional. Pessoalmente, acho que Adhemar possui a mesma coragem, criatividade e visão de futuro que teve o grande exibidor Paulo Sá Pinto, nos anos 40, 50 e 60.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.