O último pianista de cinema

Primeiro, o cinema falado passou a falar por eles. Depois, os velhos casarões que se pretendiam respeitáveis e recebiam platéias de paletó e gravata, substituiu-os por discos, para uma platéia apressada, que preferia comer pipoca entre uma sessão e outra. Finalmente, ir ao cinema passou a ser algo tão trivial, que nas salas não cabia mais o luxo de pianos ou porteiros de casaca. Os músicos de cinemas, que acrescentavam algo aos filmes mudos ou distraíam a platéia nos intervalos, foram tocar em rádios, bandas ou cabarés. Alguns - como Heitor Vila-Lobos e Ernesto Nazaré - saíram de lá para a glória. Outros mergulharam no anonimato eterno. Mas, no início dos anos 70, pelo menos um, no centro de São Paulo, ainda emitia seus sons e todas as noites, antes das sessões de 20 e 22 horas do cine Ouro, uma voz anunciava: “Senhoras e senhores, boa noite. Este é o único cinema que oferece a seus freqüentadores, alguns minutos de agradável entretenimento musical. E estes minutos agradáveis, o cine Ouro vai agora lhes proporcionar, apresentando ao piano, o renomado professor Francisco José Gorga”. A platéia permanecia muda. O renomado professor entrava em cena e sentava-se ao seu piano Beckstein de meia cauda.

O pianista, Francisco José Gorga, paulista de Porangaba, também tinha algo a dizer antes de tocar: “Tenho o prazer de executar para senhoras e senhores assistentes, dois números musicais. Primeiro, uma valsa de Chopin, e depois, em arranjo de minha autoria, “Quero que vá tudo para o inferno”, de Roberto Carlos. Tocava, a platéia aplaudia e começava o filme. O ritual se repetia desde 1964, quando o cine Ouro (1700 lugares) passou por uma reforma que lhe deu a aparência de um prédio colonial, decorado com motivos de Ouro Preto. Ostentava imitações de estátuas do Aleijadinho, vigas de madeira no teto, lembrando construções antigas, tapetes grossos e cópias de janelas e portas dos antigos sobradinhos mineiros.
No início dos anos 70, mesmo sendo um dos cinemas mais baratos da cidade e geralmente apresentando reprises ou filmes de classe B, o cine Ouro ainda tinha um toque de nobreza – o gerente estava sempre de smoking – apropriado para a cerimônia de um número musical ao vivo. O professor Gorga se sentia bem ali. Estudou na Itália, enfrentava o público desde 1925, ano em que tocou pela primeira vez, no cabaré Scala, passando, também, por teatros e rádios de vários estados brasileiros. Para ganhar os “900 cruzeiros” mensais que o cinema lhe pagava, tinha versatilidade bastante para tocar de tudo (mas sempre de acordo com o filme em cartaz) e paciência de sobra para saber que nem sempre gostavam dele. “Chega!”, gritou-lhe uma vez um espectador, entre um número e outro. “Mas que bela educação!”, desafiou o pianista. A platéia aplaudiu. E ele tocou mais uma vez. Foi o único incidente que o envolveu em anos. “O público que me escuta não tem obrigação de bater palmas. Mas, se escuta, é porque tem algum sentimento em relação à música e por isso nos entendemos quando toco”, disse o pianista.
Alto, grisalho, terno bem talhado, unhas bem feitas, Gorga falava com a voz polida dos grandes cavalheiros. Ele era fiscal de conservatórios da “Comissão Estadual de Música” e, além de piano, também ensinava violoncelo, harmônica, violão, clarinete e pistom. Escrevia muito em jornais, mas gravou muito pouco (uma única composição sua “Choro em Lá Menor”, em 1946). Ele não parecia muito preocupado com sua posteridade. Casado, pai de um filho, só lamentava que o ensino de música, que ele analisou em muitos artigos, era muito fraco no Brasil. Glória? Não fez parte de suas ambições. Fortuna? Também não. E aplausos dos freqüentadores do cine Ouro? De modo algum. Solitário na sua profissão, último representante de uma espécie extinta, sabia exatamente até onde ia a sua arte: “Toco para uma única pessoa ou para uma casa lotada. Na verdade, eu toco sempre para mim mesmo”.
Fonte de pesquisa: Revista “Veja” (1971) - Foto de Teo Nunes
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.