Comporte-se!

Texto de "O cri-crítico" ( jornalista do jornal "O Estado de S. Paulo", que escreve para o suplemento "Guia", críticas bem-humoradas sobre cinema )

Finalmente! Há tempos me cobram um guia de etiqueta para cinéfilos. Aproveitando este blog, apresento aqui o primeiro esboço.
1. Quando devo chegar?
Se ainda não tem o ingresso, não deixe para a última hora. Em salas com lugar marcado você pode entrar sem pressa, a cinco minutos da sessão. Só não chegue depois. Nem mesmo se adquiriu o ingresso pela internet ou se não gosta de trailers. Entrar na sala após o início do filme é um desrespeito. Se os cinemas permitem essa prática lastimável, é o espectador atrasado que deve ter o bom senso de esperar pela sessão seguinte.
2. O que levar para a sala?
De preferência, apenas seu senso crítico. Mas, se você não resiste a beliscar alguma coisa durante o filme, seja consciente. Nenhum filme, por longo que seja, justifica alguém armazenar comida. Não estamos em guerra e a sala de cinema não é abrigo. Um saquinho de pipoca basta para distrair o estômago, não? Não há regulamentação que proíba a entrada de alimentos. Cabe a você não levar nada que possa incomodar os demais, seja pelo barulho, seja pelo cheiro. Imagine ver um filme ao lado de alguém cheirando a batata frita de fast-food.
3. Como se comportar na fila?
Em cinemas com lugar marcado, simplesmente, não forme filas. Nos demais, é prova de resistência. Mantenha a calma e espere na bombonière, em paz com seu expresso, batendo um papo agradável com um amigo. Claro que poucos terão sua serenidade e alguém será o primeiro a armar acampamento na porta da sala, ainda que falte uma hora para a sessão. A ele, se juntarão outros apressados. E, uma hora ou outra, você terá de fazer parte. Vai depender da capacidade da sala e de você saber onde estão os melhores lugares. Uma vez na fila, respeite-a.
4. Onde devo me sentar?
Se o cinema está vazio, é recomendável não sentar bem ao lado de um desconhecido. Deixe a pessoa à vontade. O importante é que, escolhido o lugar, não fique mudando o tempo todo, principalmente se a sessão está para começar. Com o cinema lotado, fica difícil encontrar poltronas vizinhas vagas. Se estiver acompanhado, peça educadamente para alguém pular para o assento ao lado. Mas se a pessoa se recusar, entenda: ela escolheu aquele lugar por alguma razão.
5. Até quando conversar?
Coloque a conversa em dia antes da sessão. Quando as luzes se apagam começa a vigorar a lei do silêncio. Veja bem: comerciais dispensam a atenção, mas os trailers, não. Alguém pode estar mais interessado nos filmes a estrear.
6. Como guardar lugar para um amigo sem ser inconveniente?
Por que não vai a cinemas com lugares marcados?
7. Deixo meu celular no vibra call?
Claro que não! Em um mundo ideal, nem seria permitido entrar no cinema com este aparelho demoníaco. Mas já que não dá para revistar as pessoas na entrada, simplesmente desligue-o.
8. Como pedir licença para passar no meio de uma sessão?
Estou falando para as paredes? Nunca entre no meio de uma sessão! Mas se precisou usar o banheiro, tente ser invisível. Mantenha-se abaixado, seja rápido e, antes de se levantar, saiba exatamente onde precisa ir para não ficar como uma barata tonta na frente das pessoas.
9. Posso comentar durante o filme?
Não, ninguém está interessado. Você é o diretor? O roteirista? Pior: crítico de cinema? Ainda que fosse, guarde seus comentários para depois do filme. Bem depois, aliás. E não adianta cochichar.
10. Namorar no escurinho pode?
Não há problemas em dar uns beijinhos no cinema, se você e seu par não se incomodam de perder algumas cenas. Mas quando o namoro esquenta, há lugares mais apropriados.
11. E se o filme estiver chato?
Nada de ficar bufando, como se apenas a sua opinião importasse. Pode parecer difícil de acreditar, mas sempre vai ter alguém que discorda de você. Não gostou do filme, fale mal depois. Se não assistir até o final, simplesmente saia da sala sem reclamar, rapidamente. E procure se informar melhor da próxima vez. Filme ruim, em geral, deixa muitas pistas.
12. O que fazer quando alguém estiver atrapalhando a sessão?
É um trabalho sujo, mas alguém tem que fazer. Comece com um olhar matador. A maioria se toca rápido. Em seguida, passe para o sempre útil “schhh”, que alcança qualquer parte da sala. Se o cara-de-pau persistir, seja mais direto. “Silêncio, por favor” é a reprimenda dos lordes, curto, contundente e ainda educado. A partir daí, a alternativa talvez seja avisar um funcionário. Mas, na maioria dos casos, as pessoas vão preferir rasgar o manual de boas maneiras e partir para a ignorância. Lavo as minhas mãos.
13. Como se comportar na saída?
O fim do filme não é a largada de uma maratona. Ninguém precisa sair correndo. E, se você prefere ignorar os créditos, lembre-se que há pessoas que gostam de ler o nome de cada figurante. Não os atrapalhe pois estão no direito deles. São eles que nunca perdem aqueles erros de gravação escondidos em alguns filmes. Na porta de saída, você pode cruzar com a fila da próxima sessão. Você odiaria se alguém lhe contasse o final do filme, então não faça o mesmo com outras pessoas. Comentários, só no caminho de volta para casa.
Texto autorizado pelo autor e publicado, também, no "Guia" do jornal "O Estado de S.Paulo", de 03/03/2006.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.