Grandes empresários da exibição cinematográfica: Emilio Peduti Filho

Texto, gentilmente, cedido pelo Clube de Cinema de Marília.
Saiu, em 21 de setembro de 2010, no jornal "O Estado de S. Paulo", nota sobre o falecimento de Emilio Peduti Filho, em Botucatu (SP), aos 78 anos de idade.
Além de ter uma rede de cinemas, levando cultura por todo o interior do Estado, o Sr. Peduti sempre colaborou com o Clube de Cinema de Marília, deixando, já no projeto do antigo Cine Peduti, na Rua 4 de Abril, salas superiores destinadas ao nosso cineclube. Foi lá que funcionou durante muito tempo o Clube de Cinema de Marília, sob a direção de Benedito André e Roberto Cimino. Como parte das comemorações pelo aniversário do nosso Clube, vamos recolocar, na sala de projeção, a placa que dava nome a ela: "Sala Emílio Peduti Filho". Para isso, contatamos a família Peduti em Botucatu, para que mande um representante, pois teremos muita honra em receber e homenagear. Por Dr. Altino Therezo.
Sr. Peduti foi um homem de bem. Era empresário (foi dono da Empresa Teatral Peduti, atuante no segmento cinematográfico na época áurea do cinema, com salas de exibição em todo o interior de São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul). Era agropecuarista. Foi vice-presidente do BANESPA - Banco do Estado de São Paulo, na década de 70, por duas gestões. Emílio Peduti Filho foi ex-dirigente da Associação Paulista de Municípios, pré-candidato a vice-governador, ao lado de Laudo Natel, no final dos anos 60, porém desistiu antes de registrar a candidatura.
Empreendedor, nos anos 70 e 80, quando as indústrias dos clãs familiares italianos e outras começaram a sentir o peso da inflação, logrou, usando o prestígio conquistado junto ao Banespa, atraindo à Botucatu, indústrias como a Staroup, a fábrica de ônibus Caio, a extinta Usina Costa Pinto, que fazia produtos da marca Peixe, entre outras.
Era uma pessoa simples, de fácil trato, respeitado por todos, inclusive adversários políticos, que ganhou quando disputou eleições para prefeito, em 1988, saindo do pleito com 20% dos votos (do Blog "Do entrelinhas").

ESTE TEXTO PODERÁ SER REPUBLICADO À MEDIDA QUE CHEGAREM NOVAS INFORMAÇÕES SOBRE A HISTÓRIA DO O SR. EMILIO PEDUTI FILHO E SUA REDE DE CINEMAS, CHAMADA "EMPRESA TEATRAL PEDUTI".
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.