Profissionais da exibição: Projecionista

Vai dar rolo
Projecionistas - Carreira: muitos funcionários passam para as cabines depois de trabalharem na portaria. Que carreira? A profissão não é regulamentada por lei

Por Juliana Araújo (para o jornal “O Estado de S.Paulo”, de 25/02/2008)

O pipoqueiro e a simpática recepcionista que me perdoem, mas a figura mais importante do cinema fica escondida dentro da cabine - o projecionista. É a performance deste profissional que define a qualidade da sessão de um filme em 35 milímetros. Para aprender a montar um filme, ajustar o som ou o foco, no entanto, não existe escola. Os operadores cinematográficos aprendem a trabalhar na prática.

Em cinemas como Espaço Unibanco, Reserva Cultural e Belas Artes, é comum que projecionistas experientes ensinem o ofício a ex-porteiros e até a ex-faxineiros. "Tentamos criar uma espécie de plano de carreira", afirma a gerente do Reserva, Cynara Regina de Oliveira. Ex-porteiro do extinto cineclube Vitrine, José Alberto começou a treinar com os colegas um ano antes de ir para as cabines do Espaço Unibanco. Hoje, orgulha-se de ter ensinado a função para um dos projecionistas do Unibanco Arteplex, que era porteiro na antiga Sala UOL .

O diretor de programação do grupo Espaço de Cinema, Adhemar de Oliveira, explica que a empresa tem uma "política de formação de quadros próprios". Operador há mais de 25 anos, Jucelino Silva é outro exemplo: experiente, faz até pequenos consertos nos equipamentos.

Presidente do Sindicato dos Operadores Cinematográficos de São Paulo, Benedito Carlos Silva também aprendeu observando, há mais de 25 anos. Mas hoje defende a criação de um curso que prepare os futuros projecionistas. "Alguns cinemas contratam pessoas inexperientes e as jogam nas cabines", diz ele. "Não é difícil fazer o trabalho, mas algumas técnicas e cuidados devem ser ensinados". Benedito infernizava as sessões de uma sala de Guaíra, no interior do Paraná, até que foi mandado 'de castigo' para a cabine. Quando o projecionista morreu, ele era o único que sabia operar a máquina. Em pouco tempo, a oportunidade virou ofício. Além do treinamento, ele considera que a qualidade da projeção depende da quantidade de filmes que cada operador coordena - até três é o ideal, no caso de cabines individuais.

Nos cinemas multiplex, em que todos os projetores ficam em uma só sala, redes como a Cinemark mantêm no máximo dois operadores. "Um sozinho já conseguiria cuidar de tudo tranqüilamente", diz Luciano Silva, gerente do departamento técnico.

Para garantir a qualidade da projeção, os funcionários da Cinemark - a maioria com 2º grau completo - passam por um treinamento padrão de 30 dias. Além disso, uma equipe especializada faz manutenção preventiva nos projetores de todas as salas a cada trimestre. Os outros cinemas também têm técnicos, mas os projecionistas, de tão experientes, é que acabam responsáveis pela manutenção.

Fotos do blog "Fetiche de Cinéfilo", de Armando Maynard.

Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.