Georges Jean Renouleau, o pioneiro da exibição cinematográfica em São Paulo

Por José Inácio de Melo Souza

Georges Jean Renouleau, fotógrafo de origem francesa (Bergerac, 7/12/1845), antes de se fixar em São Paulo montou ateliês em Pelotas (1875), Porto Alegre (1878) e Rio de Janeiro (1883-84). Começou a trabalhar na capital paulista a partir de 1885-89, com ateliê fotográfico na Rua Direita, 9. Passou depois para a Rua Marechal Deodoro, 2 (em 1895, atual 15 de Novembro), cujas instalações se incendiaram acidentalmente; Rua General Câmara, 108 (1897), Rua Bento Freitas, 7-A (1897), Rua Direita, 24 (1898-99) e Rua Bento Freitas, 23 (1902).

Como fotógrafo, Renouleau deveria ter contato com os produtos fotográficos da fábrica Lumière, de Lyon, a Société Anonyme des Plaques Lumière. A conjunção decorrente da situação funesta do incêndio do seu ateliê, pelo qual não recebeu os dois seguros a que teria direito, e o aparecimento de uma nova mercadoria, o Cinematógrafo, provavelmente fez com que fosse à França para se iniciar no novo ramo. Consta que teve como sócio na exploração do invento André Bourdelot, que tinha aberto uma loja de brinquedos na Rua Boa Vista, 48-A, em 3/2/1896. Ambos viajaram para a Europa para tratarem da exploração do invento.

O Cinematógrafo tinha sido patenteado em 13/2/1895 por Auguste e Louis Lumière, tendo uma primeira apresentação pública em 22 de março na sala da Société d’Encouragement pour l’Industrie Nationale, quando se apresentou o filme La sortie des usines Lumière (a primeira sessão paga foi no salão inferior de bilhar, o Salon Indien, do Grand Café, Boulevard des Capucines, 14, em 28/12/1895). Porém, entre março de 1895 e maio de 1897, os Lumière não vendiam seus projetores e filmes, preferindo explorá-los por meio de agentes próprios. Renouleau provavelmente foi obrigado a se contentar com uma contrafação do Cinematógrafo Lumière, sendo que nunca usou diretamente a marca de Lyon (segundo Alice Gonzaga, Bourdelot, quando desembarcou no Rio de Janeiro a 5/6/1896, vindo de Bordeaux, intitulou-se “representante do Dr. Merey”, isto é, Étienne-Jules Marey, o inventor da Cronofotografia, posta a venda em 1891). Nas suas apresentações em São Paulo ele se referiu ao “aparelho-fotografia animada”; nas de Porto Alegre, ao “scinematógrapho” e “Animatógrafo modelo francês”. Do conjunto de cerca dez filmes que compunham o seu repertório, somente dois foram identificados como claramente de produção Lumière.

Em 7/8/1896, uma sexta-feira, os dois empresários convidaram o presidente do Estado, Campos Sales, e outras autoridades importantes no panorama da cidade para a estreia da nova invenção: a fotografia animada. A recepção pelos jornais, publicada no dia seguinte, foi divergente. O Estado de S. Paulo noticiou entusiasticamente, na primeira página, o programa exibido (“admirável, assombroso”), embora se enganasse quanto à primazia da projeção pioneira na América Latina (um aparelho chamado Omniógrafo tinha funcionado no Rio de Janeiro em 8 de julho daquele ano). Já o Diário Popular foi reticente: “Fundado nos mesmos princípios que o kinetoscópio, o processo Renouleau deixa ainda alguma coisa a desejar; o movimento não é perfeito, de modo que as figuras desenham-se com um tremor constante que lhes prejudica a nitidez. Esperemos que este inconveniente desapareça com ulteriores experiências. Contudo, é digna de louvores a iniciativa do Sr. Renouleau”.

Em sociedade com André Bourdelot, que tinha chegado a São Paulo em 1890, e classificado por Alice Gonzaga como “financiador da primeira sessão cinematográfica paulista”, ele montou seu projetor na Rua Boa Vista, 48-A, no mesmo endereço da loja de brinquedos do seu sócio e compatriota, pagando ao Tesouro Municipal a quantia de Rs 43$000 (quarenta e três mil réis) sendo trinta mil réis pela licença e treze mil réis pelo alvará para a “exposição do aparelho-fotografia animada” por 30 dias (1/8/1896). Na Rua Boa Vista, nº 48, funcionava o Frontão Paulista. O número 48-A era o de uma loja térrea, como se pode ver pela planta. Pelas dimensões, e ainda como negócio de Bourdelot, o prédio não tem as características de “casarão vazio” adaptado, como escreveu Máximo Barro. Ele organizou apresentações públicas pagas e diárias entre 8 de agosto e, provavelmente, 7 de setembro com três sessões de quatro filmes à tarde (13, 14 e 15 horas) e quatro à noite (18, 19, 20 e 21 horas) ao preço de Rs 1$000 (mil réis) a cadeira. Ao final da licença, no início de setembro, ele eliminou as sessões diurnas.

Encerradas as exibições em São Paulo, partiu para Porto Alegre, onde estreou a 8/11/1896. A sua carreira de exibidor ambulante terminou aí, pois no ano seguinte voltou à profissão de fotógrafo. Em 14/2/1898, Bourdelot transferiu a casa de brinquedos para Eduardo Gay. Sabe-se que em 1911 ele era fabricante de joias na Rua Boa Vista, 39-A, com filial na Rua do Rosário, 14. Os negócios devem ter ido bem porque naquele ano pediu o aumento de um prédio na Rua Tomé de Souza e a construção de duas casas na Rua Duarte de Azevedo, no bairro de Santana.

Renouleau foi casado em segundas núpcias com Rosa Maria Martin.

Texto disponibilizado na internet.

Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.