Projeções ao ar livre no Centenário do Colégio Dante Alighieri

Por Antonio Ricardo Soriano
As projeções fizeram parte do evento anual Dante Digital.
O Dante Digital é uma grande exposição que, reunindo trabalhos desenvolvidos por alunos e professores do Colégio, promove a integração das áreas de tecnologia, educação e cultura.
Os verdadeiros protagonistas da exposição são, de fato, os alunos. São eles que apresentam os projetos para um público diversificado, que inclui pais, professores, membros da comunidade acadêmica e da comunidade em geral.

Neste ano, em homenagem ao centenário do Colégio, o tema do evento foi “Conectando saberes, conectando história”, expressão que busca congregar todas as transformações educacionais e toda a evolução tecnológica que passou pelo Dante desde a sua fundação.

Nessa associação de conhecimentos, em que convergem os diversos produtos da ciência, da cultura, da robótica, do cinema e do jornalismo, o Dante Digital expressa a ideia de uma infinidade de realizações possíveis por todos que se dedicam ao desenvolvimento de projetos.

Projeção mapeada

A projeção mapeada é uma narrativa dinâmica criada pela empresa SuperUber. "Dante 100 anos" é um espetáculo audiovisual sobre a história do Colégio e que foi projetado nas paredes do edifício Leonardo Da Vinci.

SuperUber

Por um lado ateliê criativo e por outro laboratório de tecnologia, a SuperUber trabalha na convergência entre arte, tecnologia e design, para criar projetos cenográficos multimídia e interativos nas áreas de cultura, educação, entretenimento e propaganda.

Com sedes no Rio de Janeiro, São Paulo e Nova Iorque, a SuperUber participa de exposições nos principais centros culturais do Brasil, além de trabalhos nos EUA, Índia e Europa. Em 2009, realizou “Pixel Park”, sua primeira exposição individual, e em 2010 representou o Brasil na Bienal Mundial da Criatividade, nos Estados Unidos. Entre os principais projetos estão: a instalação “Beco das Palavras”, no Museu da Língua Portuguesa (SP); o vídeo-cenário para o SporTV; o projeto cenográfico multimídia para os festivais Claro Cine e Vale Open Air, no Jockey (RJ); o projeto multimídia para a loja-conceito da Nike (SP); e o jogo “Super Pong”, que integrou a exposição “Peléstation” em Berlim, durante a Copa de 2006. Participou do Museu das Minas e do Metal, do Espaço TIM UFMG do Conhecimento, e fez o projeto multimídia e interativo do Memorial de Minas Gerais - Vale, espaços integrantes do Circuito Cultural Praça da Liberdade, em Belo Horizonte.

Fontes de pesquisa: sites Dante Digital e SuperUber.

Anúncios interessantes 4

O "Vitaphone-Movietone" da Western Electric Co.
Neste sistema, o filme era exibido em sincronia com discos de vinil. Foi amplamente utilizado e comercialmente bem sucedido. Precedeu o Movietone, sistema de filme baseado na gravação em película. Para mais informações sobre estes sistemas, clique aqui e aqui.

Anúncio de 12/07/1929 divulgando a exibição do filme "Duas Gerações" no cine Republica.










Sistema Vitaphone de projeção sincronizado com áudio gravado em vinil.




















Anúncio de 20/09/1929 divulgando a estreia do filme "O Cantor de Jazz", para 23/09/1929, no cine República.






















Estreia no New York City Theatre.

















Agradeço a colaboração de Luiz Carlos P. da Silva e Nair B. P. da Silva.

Anúncios interessantes 3






















Cine Theatro Republica

HOJE
29 de Dezembro

Festejando hoje o seu primeiro anniversario, offerece ao distincto publico paulistano dois grandes espectaculos de gala em commemoração da auspiciosa ephemeride.

Interna e externamente, o theatro estará engalanado com flores, festões, folhagens, illuminação feérica de deslumbrante effeito.

Grande orchestra de 80 professores especialmente contratados para este faustoso dia. Regencia do proficiente maestro paulista MARTINEZ GRAU.

1ª sessão - ás 19 hs. em ponto

2ª sessão - ás 21 horas e meia

Cada sessão terá inicio com a execução da admiravel
PROTOPHONIA DO GRURANY
do immortal compositor brasileiro CARLOS GOMES.

Será em seguida focalisada na téla uma edição interessantissima do
ROSSI-ACTUALIDADES
Incontestavelmente o mais bello lavor da cinematographia nacional, produzido expressamente para o glorioso dia de hoje, que marca, tambem, o primeiro anniversario do apreciado "magazine-film".
Summario interessante de que se destacam as scenas capitaes do photo-drama "PERVERSIDADE", posado em S. Paulo por Innocencia Collado e Antonio Tagliaferro; da engraçada comedia paulista CARLITINHO, de que são interpretes os irmãos Vassallo; do drama social "PRELUDIO QUE REGENERA", por Lucia Lais e Waldemar Moreno e do cine-drama "A CULPA DOS OUTROS", por Medina Filho e Carlos Ferreira.

Assistiremos, após, as primeiras exhibições de uma das mais empolgantes obras da famosa marca norte-americana PARAMOUNT-ARTCRAFT

DE MARINHEIRO A COMMANDANTE

ULTIMA SUPER-PRODUCÇÃO ESPECIAL PARA 1922
SCENAS EMOCIONANTES - SITUAÇÕES ADMIRAVEIS - INTERPRETAÇÃO MAGISTRAL
Duas genuinas glorias da moderna cinematographia desempenham os principaes personagens desta linda pellicula:
DOROTHY DALTON e RUDOLPH VALENTINO

O espectaculo terminará com a execução, a grande orchestra, do grandioso poema symphonico CENTENARIO do maestro Savino De Benedictis.

Só uma vez, até hoje, se fez ouvir esta admiravel composição: foi durante as festas officiaes commemorativas do centenario da INDEPENDENCIA NACIONAL.

PREÇOS HABITUAES:
Frisas e camarotes, 12$000 - Poltronas numeradas, 2$200 - Galerias, $800

AVISO AO PUBLICO

AS POLTRONAS SÃO NUMERADAS PARA AS SESSÕES DE HOJE E OS RESPECTIVOS BILHETES SERVEM SOMENTE NA SESSÃO PARA QUE FOREM EMITTIDOS.

PARA SUA MAIOR COMMODIDADE, O DISTINCTO PUBLICO DEVE PREVENIR-SE NA BILHETERIA DURANTE O DIA, COM A POSSIVEL ANTECEDENCIA, PARA EVITAR ATROPELOS A' ULTIMA HORA.

AMANHAN: - Vesperal elegante da COMPANHIA ABIGAIL MAIA, com a encantadora comedia de Oduvaldo Vianna - MANHANS DE SOL - A' NOITE: PARIETTE, continuação do lindo cine-romance da Gaumont. Bilhetes numerados á venda desde hoje.

Leia mais sobre o cine-theatro Republica.

Agradeço a colaboração de Luiz Carlos P. da Silva e Nair Brustolin P. da Silva.

Anúncio do jornal "O Estado de S. Paulo", de 29 de Dezembro de 1922.

Clique na imagem, para ampliá-la.

Anúncios interessantes 2

Anúncios da primeira exibição no Brasil do Cinemascope, realizada em 09/02/1954, no cine República.



Anúncio do jornal "Folha da Noite", de 08/02/1954.

Link interessante: Widescreen Museum
Agradeço a colaboração de Nair Brustolin P. da Silva e Luiz Carlos Pereira da Silva.

Anúncios interessantes

1937
1940
1961
1961
1962
1962
1971
Agradeço a colaboração de Nair Brustolin P. da Silva e Luiz Carlos Pereira da Silva.

3D: Dolby X Real D

Por Marcelo Lima e Natalí Alencar (Redatores da revista Exibidor, publicação trimestral da Tonks)
Duas tecnologias brigam pela liderança do cinema tridimensional no Brasil. Conheça como funciona cada uma delas.
Quem imaginou que o cinema 3D se tornariaum sucesso duradouro? Pois é, hoje, ele já é realidade consolidada para muitos exibidores e outros já estão procurando informações no mercado para oferecer mais esse serviço.
Mas, o que poucos sabem é que antes de chegar à telona, o 3D já foi utilizado em diversas áreas: na indústria petrolífera, na medicina e na arquitetura.
Já no final do século XIX foram feitos experimentos com fotos em 3D e as primeiras experiências cinematográficas puderam ser vistas a partir de 1910. Entre a década de 50 e 60, muitos filmes foram produzidos com essa tecnologia. Na época, os óculos com papelão e celofane e a precariedade da técnica empregada não trouxeram grande êxito.
O fator decisivo para seu sucesso no cinema foi a experiência polarizada e os óculos da pioneira RealD no lançamento do filme “O galinho Chicken Little” em 2005. Na época, o "know how" adquirido em outros setores pela empresa, como na perfuração de poços de petróleo e na visualização de plantas e mapas com relevo, foi determinante para garantir o sucesso do filme e do 3D.
Foi assim que a RealD se tornou líder no mercado mundial. A Dolby, ainda que iniciando tardiamente, conseguiu abocanhar uma fatia expressiva.
Muitos esperavam que a revolução digital alavancaria o 3D, mas na verdade, foi justamente o oposto. Com a força que o 3D tomou, os exibidores se viram forçados a evoluir para a convergência digital.
Leia o texto na íntegra.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.