Art Palácio será restaurado conforme as especificações do projeto original de Rino Levi

Por Antonio Ricardo Soriano

O arquiteto Paulo Bruna, ex-assistente do arquiteto Rino Levi, é o responsável pelo restauro do cine Art Palácio, inaugurado em 13/11/1936, como Ufa Palacio. Paulo Bruna foi contratado pela Secretaria Municipal de Cultura e, para o restauro, conta com a ajuda de centenas de fotos de Rino Levi, que registram todas as fases da construção do cinema, além do projeto original.

1936

1936






































"Arrancaram, destruíram, mas é perfeitamente possível refazer. Eram coisas em estuque (argamassa resultante da adição de gesso, água e cal), não em gesso. Como foi uma das primeiras obras de prestígio do Dr. Rino, ele documentou com grande requinte de detalhes todas as etapas", diz Paulo Bruna.

A ideia de utilização do espaço é de uma casa de espetáculos musicais, mas acredito que será um espaço amplamente cultural, incluindo exibições cinematográficas. Assim espero! O espaço foi originalmente criado (em detalhes!) para isso.
Para mais informações sobre o projeto, leia o artigo “Cinemas fora da casca”, de Jotabê Medeiros.


1957

















Breve histórico do cine Art Palácio:

Endereço: Av. São João, 407 e 419 - Centro

A partir de 25/12/1939, passou a se chamar Art (Ufa) Palacio. Depois, em 01/01/1940Art-Palácio (com administração da Cia. Cinematográfica Serrador). A partir de 23/01/1971, o Art-Palácio foi dividido em duas salas: Sala São João, com 1860 lugares e Sala São Paulo, com 1279 lugares. Em 11/01/1987, passou a ser administrado pelo Grupo Alvorada.

Na inauguração foi exibido o filme alemão "Boccaccio" (1936), de Herbert Maisch.

Foi o primeiro cinema em São Paulo a ser concebido dentro dos princípios racionalistas da arquitetura moderna. Foi projetado em 1936, pelo arquiteto Rino Levi, para a que era, então, a mais importante artéria da cidade: a Avenida São João. A lotação total da sala, incluindo o balcão, era de 3119 lugares (plateia: 1860 lugares - balcão: 1279 lugares). Por aí se pode ter uma ideia das dificuldades de solução dos problemas de excesso de público, visibilidade e acústica. A utilização do método gráfico para estudo dos problemas de acústica e seu emprego na arquitetura de auditórios e salas de espetáculos eram então desconhecidos no Brasil, ficando o projeto famoso justamente por isso. O cuidado com que todos esses itens foram examinados resultou no perfeito funcionamento, desta que foi uma grande casa de espetáculos. Constituiu-se em um marco deste tipo de edificações e referência na construção de outras salas de cinema que vieram após sua inauguração.

Localizava-se em um prédio pertencente à Rafaela Pocci Medici. O nome UFA se deu porque, inicialmente, o cinema exibia filmes da produtora alemã UFA. Em novembro de 1939, o cinema muda o nome para Art-Palácio, inspirando-se em outra distribuidora europeia, a Art-Filmes.

Nos anos de 1950 e 1960, o Art-Palácio especializou-se em filmes populares (faroeste e capa e espada). Quando surge o neorrealismo, porém, é o cinema escolhido para lançar "Stromboli", de Rosselini, acolhendo um público diferente do que enchia suas filas, para ver, por exemplo, as chanchadas da Atlântida. Mais tarde, o Art-Palácio tornou-se o lançador dos filmes de Mazzaropi, sempre no dia 25 de janeiro (aniversário de São Paulo).

A decadência do Circuito Serrador ocorreu na década de 1970, motivada especialmente pela queda de público nas salas de cinema do centro. Nesse mesmo período, o Art-Palácio foi dividido em duas salas. Mesmo divididas, a frequência de público continuou em declínio e, a partir da década de 1980, a programação do cinema mudou definitivamente para filmes pornográficos. Desde então, o cinema vinha exibindo este tipo de produção, até o seu fechamento em julho de 2012, depois de um longo processo de desapropriação do prédio pela Prefeitura do Município de São Paulo.

Em 19/11/2013, o Art Palácio (mesmo sem nenhuma reforma) recebeu o Festival Screen, com a obra “Staging Silence 2”, do artista belga Hans Op de Beeck (antecipando o lançamento oficial da edição brasileira deste famoso festival espanhol a ser realizado em 2014). (Fotos) (Mais informações)

1936
1936
1936
1936
2012
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.