Inauguradas as primeiras salas do Circuito SPCine de Cinema nos CEUs da capital

Na primeira etapa do projeto, serão montadas e modernizadas 20 salas, das quais 15 serão em CEUs

Na quarta-feira, 30 de março de 2016, foram inauguradas as duas primeiras salas de cinema do Circuito SPCine, que funcionarão nos Centros Educacionais Unificados (CEUs). As salas entregues funcionarão nos CEUs Meninos, região leste e Butantã, localizado na região oeste.

Projetor digital adotado para as salas do Circuito SPCine - Foto: Leon Rodrigues


A opção por entregar 15 das 20 salas previstas nos CEUs visa fomentar o acesso à cultura aos moradores de lugares mais distantes do centro da cidade. "A cultura é fundamental para enfrentar todos os desafios que o povo brasileiro tem pela frente, para estimular a convivência e a aceitação do outro para a construção de uma sociedade democrática", disse Juca Ferreira, Ministro da Cultura.

Cerca de 900 convidados, entre profissionais do cinema, atrizes, atores e comunidade local, participaram da inauguração das salas de cinema nos CEUs Meninos e Butantã. Acompanhada da filha, Aracelis Santos Diniz, moradora dos arredores do CEU Meninos, aguardava ansiosamente o início da sessão do filme "O Escaravelho do Diabo". "Vai ser muito bom ter um cinema aqui no CEU. Vai facilitar nossa vida, já que não precisaremos ir até São Caetano ou até o centro de São Paulo", afirmou.

Inauguração da sala de cinema do CEU Butantã em 30/03/2016 - Foto: Leon Rodrigues


Inauguração da sala de cinema do CEU Butantã em 30/03/2016 - Foto: Leon Rodrigues


Com a instalação completa das salas, a programação contará com 200 sessões semanais, com grande diversidade de títulos, incluindo obras artísticas, nacionais e blockbusters, além de construir um plano de formação de público com a expectativa de atingir até 960 mil espectadores por ano. "Essas salas são muito importantes, formam um circuito alternativo e de fácil acesso. Aqui, a gente não vai precisar pegar ônibus e pagar ingresso para assistir a uma boa programação", afirmou o Prefeito Fernando Haddad.

Das 15 salas que serão instaladas nos CEUs, cinco se localizam na zona leste, cinco na zona sul, quatro na zona norte e um na região oeste. "O cinema envolve várias artes. Vai ser fascinante a gente ver o aprendizado dos alunos, dos professores, das famílias. Aqui também serão realizados debates com os jovens. A educação precisa se dinamizar cada vez mais", disse o Secretário Municipal de Educação, Gabriel Chalita.

Testes na sala de cinema do CEU Meninos em 24/03/2016 - Foto: Leon Rodrigues

Testes na sala de cinema do CEU Meninos em 24/03/2016 - Foto: Leon Rodrigues


"Com estas salas, nós também daremos oportunidade para produções que muitas vezes não conseguiram chegar às grandes salas de cinema", disse o Secretário Municipal de Cultura, Nabil Bonduki, que também ressaltou os benefícios da parceria entre as Secretarias de Educação e Cultura.

As salas inauguradas contarão com tecnologia de ponta e as sessões nos CEUs acontecerão as quartas, quintas e domingos, seguindo a lógica do mercado de exibição que renova as estreias sempre no quinto dia da semana. Os outros equipamentos culturais seguirão a mesma estratégia, mudando apenas a quantidade de sessões. "O cinema faz parte da formação da cidadania. Todos têm direito de ir ao cinema e é este o esforço que estamos fazendo aqui para viabilizar o acesso da forma mais universal possível ao cinema", afirmou o diretor-presidente da SPCine, Alfredo Manevy.

Testes na sala de cinema do CEU Meninos em 24/03/2016 - Foto: Leon Rodrigues

Inauguração da sala de cinema do CEU Meninos em 30/03/2016 - Foto: Fernando Pereira


Sobre o projeto - O Circuito SPCine é um projeto da Prefeitura de São Paulo que tem o objetivo de levar a experiência do cinema a todas as regiões da capital paulista, sobretudo as não atendidas ou pouco atendidas por salas oficiais de cinema, ampliando a oferta de espaços para exibição de filmes, além de modernizar salas já existentes com equipamentos de ponta, criando uma programação regular nesses locais.

Texto publicado originalmente no Portal da Secretaria Municipal da Educação.

Mais fotos e informações:
Capital recebe primeiras salas públicas de cinema

CineArte: o tradicional cinema da Av. Paulista

Por Antonio Ricardo Soriano

O cinema é inaugurado em 09/03/1963, com o nome de cine Rio, pela Empresa de Cinemas Rio Ltda., com o filme "O Assassino", do cineasta e roteirista italiano Elio Petri, com Marcello Mastroianni, Cristina Gajoni e Micheline Presle. A sala tinha cerca de 500 lugares.

















Nos anos de 1970, o cinema entra crise. Em 12/11/1982, o experiente programador Dante Ancona Lopez passa a dirigi-lo, agora, com o nome Cine Arte um e o slogan "Espetáculo - Polêmica - Cultura". O primeiro filme exibido é "Mamãe faz 100 anos", do cineasta e roteirista espanhol Carlos Saura, com Geraldine Chaplin e Amparo Muñoz.

O sucesso do cinema é imediato, graças a uma programação bem diferenciada. Em 15/09/1995, o Cine Arte um ganha mais uma sala, com apenas 150 lugares, construída no hall onde funcionava uma bombonière. A Look Filmes, proprietária do espaço, instala equipamentos italianos de som e projeção. O primeiro filme exibido na pequena sala é "Cortina de Fumaça", de Wayne Wang, com Harvey Keitel, William Hurt e Forest Whitaker. Neste dia, os primeiros espectadores receberam um livro e mais um brinde especial.

Em 2003, o cinema entra novamente em crise e ameaça fechar. A situação mobiliza frequentadores, moradores da região e o poder público. Primeiro com um abaixo assinado, iniciado desde as primeiras sessões do filme "Durval Discos", de Ana Muylaert, ganhando força através da internet. Depois, Vilma Peramezza, síndica e gerente geral do Condomínio Conjunto Nacional, assume a campanha "SOS CINE ARTE", promovendo um ato público. Por tudo isso e muito mais, os empresários exibidores Adhemar Oliveira e Leon Cakoff (in memoriam) se sensibilizam e, junto do incentivo de uma grande empresa patrocinadora, passam a administrar o cinema.

Em 22/10/2005, depois de uma grande reforma, o cinema é reinaugurado com o nome de Cine Bombril, com a exibição do filme "Cidade Baixa", de Sérgio Machado, numa noite só para convidados. Um nome não muito adequado ao cinema, mas valeu a pena, pois a empresa investiu muito no espaço. Além de modernos equipamentos de som e projeção, o cinema recebe nova decoração e acomodações e, na sala 1, poltronas de 64 cm. de largura e distância de uma fileira para a outra de 1,25 metros. O custo da reforma foi de R$ 3,2 milhões.















Em 03/09/2010, muda-se o patrocinador, o layout e a decoração, passando a chamar-se Cine Livraria Cultura.

Em 18/06/2015, mais uma vez, o cinema perde o patrocínio e passa a chamar-se CineArte. Segue firme com programação de filmes de excelente qualidade e a sala 1, uma das melhores da cidade.

Foto : Antonio Ricardo Soriano

CineArte
Conjunto Nacional - Avenida Paulista, 2073 - Consolação
Entrada, também, pela Rua Padre João Manoel, 100
Telefone : (11) 3285.3696
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.